OS 9 AYRÁ, TODA A HISTÓRIA NÃO CONTADA

Conta-se nos itans que tinha um reino, que se tornou vassalo do reino de Xangô. E que o rei tinha 9 filhos com suas diversas suas. Esse rei mandou os filhos a corte de Xangô, para aprenderem os hábitos e depois fazer no reino como a corte de Xangô.

Consta no odu Irosun e seus omos.

Essa lenda é em especial ao PAI ZÉ DE AIRÁ da cidade de Mogi das Cruzes. Akorumbé é o santo da nação Jeje Mahim, que se assemelha com os Airás. Pois no Jeje não tem Airá. Eu sou o Baba e Oba Alexandre de Exu e fundei o Axé Eleegbara Tolá. Junto com a Agbonã Leila de Iemanjá.

Os 9 irmãos foram para corte de Xangô e a princípio corria tudo bem, mas Xangô começou a ficar com ciúmes e inveja dos jovens na sua corte e bolou plano para acabar com todos eles.

Assim em uma das muitas guerras Xangô manda os irmãos a linha frente, sabendo os homens de Xangô a intenção era que ele perdessem a vida. Vi fizeram uma manobra que os jovens ficaram sozinhos diante do inimigo vindo 6 dos irmãos morreram e dois feitos prisioneiro e posteriormente vendidos como escravos.

Um apenas que conseguiu voltar as linhas de xangô, para pedir socorro aos irmãos que foram feitos prisioneiros. Mas não teve sorte melhor, pois os homens de Xangô logo o prenderam e o fizeram de escravo. Assim ficou uns anos, mas o reino de Xangô pouco depois começou a ter problemas diversos.

Pois outra havia sido presa e padecia injustamente. Que era Oxalufan. E anos havia passado até que Xangô consultou um adivinho que disse que tantos infortúnios por havia pessoas presas injustamente no seu reino. Após buscas minuciosas se encontrou Oxalufan, que Xangô mandou as mulheres irem ao rio e voltarem de branco trazendo água para banhar Oxalufan.

Oxalufan o tempo que ficou preso houve muitas buscas por ele todas sem sucesso. Banhado e com roupas limpas, e depois de descansar bem Oxalufan falou a Xangô que iria voltar a suas terras.

Xangô pensou e falou te darei um escravo para leve nas costas se precisar e atenda suas necessidades no caminho. E deu o irmão que ele tinha feito prisioneiro. Achando que assim se livraria de um novo castigo, pois aí o escravo não estaria mais em seu reino.

Assim Oxalufan e seu escravo começaram a longa viagem de volta, rapaz sempre solicito atendia Oxalufan em tudo, preparando comida e remédio e carregava nas costas quando o chão era ruim para Lufan caminhar. E Oxalufan e o escravo foram conversando pelo caminho. Lufan contou que havia negligenciado as oferendas a Exu e por isso essa desgraça lhe caia em cima. No o escravo Intele, lhe contou a sua triste história e dos irmãos. Que ele não sabia se estavam vivos.

Levaram muitos dias nesta viagem de volta que foi estreitando a amizade deles. E chegando Lufan foi recebido com grande festa. E logo o separaram do escravo Intele. Que foi mandado para o local dos escravos. Até que numa tarde Intele foi chamado.

E perante a outros orixás Oxalufan, narrou o que havia acontecido com o escravo Intele e seus irmãos. E ainda acrescentou: Eu mesmo fui vitima da justiça de Xangô. Onde passei anos nas suas masmorras e estou aleijado por causa dele, mais também da minha teimosia de não cuidar de Exu antes da viagem, mas precisamos dar uma lição a Xangô. Por suas injustiças.

Todos queriam guerra contra o reino de Xangô. Foi quando Rowó, o pacificador, e que acalma os outros funfuns. Falou: Não devemos procurar o caminho de guerras e brigas, onde os seres humanos é que vão sofrer mais. Eu proponho elevemos esse escravo a orixá (ebora) e que ele use as mesmas insígnias de Xangô.
Xangô é o raio que Intele seja o relâmpago. E ainda mais que ele julgue as situações entre os seres humanos e os orixás. Todos adoram a ideia, no que Airá Intele falou, aceito o que pedem, mas gostaria que tudo meu fosse branco e as mesmas comidas de Oxalufan.
No que Ajaguna, funfun meia idade senhor da Paz, falou: Oxoguian mande recado para Exu e Ogun, pedindo para que localize os demais irmãos de Aira Intele. Aira Intele já havia sido transformado em ebora. E trabalhava julgando as situações diversas. Quando Exu trouze Ayrá Modé, um dos irmãos de volta que estava trabalhando num rio. Que após se informado de tudo foi também transformado em ebora.
Que ficaria junto as ìyabas. Tempos depois Ògún trouxe o outro irmão que era Ayrá Ibonã. Junto com notícias perturbadoras de triste os outros seis irmãos haviam falecido na guerra. Cada deles após ouvir o que aconteceu com seus demais irmãos ficou assim resolvido.
Todos usariam a roupas e insignas de Xangô, para que ele nunca esqueça a injustiças que praticou, contra quem devia proteger, não usariam as cores de Xangô. Pois Xangô era a justiça falha dos homens e eles serão a justiça dos orixás.
Ayrá Intile, usaria tudo branco como Oxalufan.
Ayrá Modé, usaria Branco e prateado, em função de Oxoguian.
Ayrá Ibonã, usaria branco e vermelho, pelo sangue de seus irmãos.
Orishanlá, funfun velho rege a idade avançada, pediu que os espíritos dos que se foram fosse reverenciado e lembrados que são; Ayrá Etinja, Ayrá Adjaoci, Ayrá Ajébora, Ayrá Bomim, Ayrá Lojó, Ayrá Savé. Airá tem ligação com a orixá Onirá. Sempre que faz Airá se assenta Onirá ou vise versa.
E que se fizesse uma grande fogueira neste dia. Xangô foi convidado para a festa com a fogueira. Que foi faceiro com Oya Achando que o povo iria vê-lo dançar com Oya. Mas foram os Airás que dançaram com Onirá e Ioba.
O povo ao saber da história se rebelou contra Xangô, que acabou deixando o trono para o irmão que ele havia tirado e com vergonha se enforcou. Neste odu é que nasce Oya Balé.