COMO NASCE UM BÀBÁ OU ÌYÁ?

Um Egbome após ter seu posto de Oloyê confirmado está sendo consagrado a Ìyálorixá/Bàbálorixá. Não se queima etapa dentro do santo.

Lembrando que quando se faz santo nos somos sacralizados ao orixá e para ser zelador precisamos após o Oloyê sermos “consagrado” como Ìyálorixá/Bàbálorixá.
Eu sou o bàbá e Oba por duas vezes, Alexandre de Exu e vou flar para quem quiser saber como nasce uma Ìyálorixá/Bàbálorixá, vem comigo.

Essa cerimonia envolve diretamente 3 orixás e depois mais outros orixás conforme Exu determinar no jogo.

A pessoa que é destina a ser Ìyálorixá/Bàbálorixá, vai fazer seus fundamentos com o orixá Onilê, onde está a sua morte.
Já descrita no odu Iká Megi e seus omos-odus.
Onde a terra recebe a Ìyálorixá/Bàbálorixá em sua morte mais profunda e ela fica na terra até que comece se movimentar novamente.

Pois ali o que morreu foi o “ser imperfeito” para surgi o ser sacerdote que vai buscar fazer a humanidade feliz através da espiritualidade dos orixás.

Esse movimento lento, compassado mais em passos firmes que é a determinação da Ìyálorixá/Bàbálorixá, semelhante a uma semente que após o seu período de incubação solta para baixo o que será suas raízes e para cima o que será o talo e sua primeira folha, que segue em direção a luz do sol.
Sob a regia do orixá Ajagunmale, que dará ciência a Olofi que mais um sacerdote está se formando. O que fara que Olofi envie o orixá Oduduwa, para avaliar e dar a missão ao novo sacerdote.

Pois o que morreu junto ao orixá Onilê e ficou enterrado nada mais foi que os sentimentos mesquinhos e individuais da futura Ìyálorixá/Bàbálorixá, que ressurgi agora para formar sua coletividade e a ela se dedicar segundo as normas descrita no odu ika-fun.

Essa cerimonia é chamada de ADE-IKÁ, onde se recebe o IBA-ASÉ. Ìyálorixá/Bàbálorixá sem esse assentamento, que leva fundamentos de no mínimo mais 2 zeladores ou zeladoras.

Se faz muita confusão de Ade-Iká com cuia, a de cuia é “Igba Mege Odun”.
Egbome recebe o Igba Meje Odun, chamado de cuia.
Ìyálorixá/Bàbálorixá recebe o Ade-Iká que junto vem Igba-Asé.

Em seguida ele vai ser colocado no trono ou cadeira do Asé na verdade é o assento do orixá Oduduwa, pois a Ìyálorixá/Bàbálorixá é como esse orixá, que é responsável pela evolução e caminhada espiritual da humanidade.

O Ìyálorixá/Bàbálorixá passa ser seu representante e sacerdote lhe dando conta de tudo que fez ou deixou de fazer.

Oduduwa em seu julgamento aos zeladores inicia cobrando o bem que deixaram de fazer, pois toda oportunidade de fazer o bem e não aproveitada e tida como uma traição a ao orixá Oduduwa.

O mal praticado pelo sacerdote é cobrado em dobro, a Ìyálorixá/Bàbálorixá está manjando o sacerdócio e o orixá Oduduwa perante Olofi.

Após a sequência o sacerdote já devidamente entronado na cadeira de Oduduwa, recebe os orixás que são, os seu, do Pai/Mãe de santo, da sua raiz familiar e axé e cumeeira. Para compor o ilê ele vai iniciar.