ARAKUNRIN OORUN ATI ARABINRIN OSUPA

O Sol e a Lua exercem atração sobre a Terra, mas a influência lunar é maior, pois a Lua está mais próxima da Terra. A influência da Lua sobre a Terra movimenta as águas, provocando as marés. Na face da Terra voltada para a Lua, a água se avoluma formando uma onda. Essa onda resulta na maré alta.

Todos que participam da cerimonia aos olhos de Korikoto e Ajagunmale são o IRMÃO SOL e a IRMÃ LUA.

ARAKUNRIN OORUN – irmão sol.
ARABINRIN OSUPA – irmã lua.

Que juntos são awọn olutọju aṣa. Os guardiões das tradições do sol e da lua.
Eu sou o baba e Oba/Itefá Alexandre de Exu, e estou falando que a lua mexe na cabeça das pessoas e na ora de fazer um santo ou raspar, colocar o adoxo, dar um bori. Estamos mexendo com forças sutis que podem nos ajudar ou atrapalhar. O candomblé é uma religião que se baseia na religiosidade e no conhecimento dos antigos. Os antigos olhavam e fazia as coisas pelas fases da lua e o movimento do sol.

O Sol é a presença central, a fonte da energia que permite a existência de seres vivos em nosso planeta, mas a Lua também desempenha um papel fundamental. Sua presença estabiliza a Terra. O Sol é fonte de luz primária, um corpo luminoso. A Lua é fonte secundária, um corpo iluminado”.

Como vimos, esses dois elementos são cheios de misticidade, assim sendo, uma explosão de simbologia, quando vistos juntos, um dos significados é representado pelos astros celestes. A mulher representada pela lua, é o feminino e homem representado pelo sol, o masculino.

Aí vemos dois santos:
Orixá Korikoto, na LUA.
Orixá Ajagunmale, no SOL.

Todos dois ligados a OLOFI, no momento do MO DUPE OJO OLODUAMRE. Que é o dia do agradecimento a Deus. Por tudo de bom e ruim.
A imagem do sol e da lua juntos? Por trás desses astros existe um fundamento muito forte para o povo de santo e de todas as religiões místicas espirituais. É o início de tudo. Por isso no Asé Eleegbara Tolá, sempre fazemos a cerimonia da LUA e do SOL. E tudo é baseado no movimento destes astros e outros é claro. Razão que temos os irmãos do sol e da lua. Que são responsáveis na organização destes cultos no Asé.

O sol é considerado a séculos como um Deus imortal. O sol guia as almas pelas regiões inferiores e faz com que regressem à luz, os seus raios representam as influências e também a luz e o calor, como um elemento da natureza seu brilho torna as coisas mais clara, essa luz irradiada pelo sol representa o conhecimento, assim, o próprio sol é a inteligência divina. Ele é a fonte de energia que alimenta o corpo e mantem a alma viva. Dai ser a representação antiga de Deus e em nosso caso de Olódùmarè. O movimento do sol é grande importância.
Já a formosa lua é um astro que que cresce, decresce e desaparece, cuja a vida depende da lei universal, devido ser indefinido a morte da lua ela vive esse movimento eterno, retornando sempre às formas iniciais, essa periodicidade sem fim faz com que seja o astro dos ritmos de vida. Dai sua ligação com todo orixá feminino e as mulheres.
A lua está ligada as águas, a chuva, a fecundidade das mulheres, dos animais, da vegetação, o destino do homem. E ao carma ou ao nosso odu cármico que é o de vida, daí a importância de saber ele.
Como vimos, esses dois elementos são cheios de misticidade, assim sendo, uma explosão de simbologia, quando vistos juntos, assim, o sol nessa união tem o sinônimo de ar e fogo, já a lua é a representação da terra e água. Esses astros nos remetem a dualidade do: bem e mal; vida e morte; feminilidade e masculinidade; dia e noite. Que indicam diversos odus de Ifá.
o Sol representa o Espírito enquanto a Lua representa a Alma.
Espírito enquanto centelha divina, aquilo que em nós permanece verdadeiramente imortal dentro de nós. É percebido como algo “acima”, como o pico de uma montanha, de modo que trilhar o caminho “espiritual” possa ser visto como uma ascensão às alturas, como escalar uma montanha. O Espírito torna-nos contemplativos e despreocupados com as coisas terrenas e materiais; também nos pode tornar extremamente desligados, ao ponto de nos alhearmos das necessidades “deste mundo”. Os símbolos primários do princípio masculino são o ouro e o Sol. A montanha tem haver com os mais velhos do culto que apelidamos de mocotões. Quando falamos meus velhos, e que como a montanha já viram e presenciaram de tudo. Ligado ao orixá Olorokê.

A Alma, por outro lado, é algo profundo, e nesse sentido fica abaixo de nós em vez de acima. Se o Espírito é o pico de uma montanha, a Alma é um vale – macio e úmido, repleto de correntes de água, calmante com as suas árvores verdes. A Alma mantém a ligação com a Terra, mantém-nos ligados e unidos às pessoas, lugares e coisas através dos laços do amor. Os símbolos primários do princípio feminino são a prata e a Lua.

Embora ambos os princípios sejam essenciais à vida, um não deve predominar à custa do outro. O Espírito em demasia pode fazer-nos arder como fogo e ficamos fanáticos que é, em última análise, um fogo frio pois arrefece o nosso interesse pela humanidade e pela Terra.

Por outro lado, a Alma em demasia deixa-nos atolados no pântano das mudanças de humor e das emoções alteradas, tornando-nos incapazes de agir com discernimento ou tomar decisões firmes.
O equilíbrio definitivo das polaridades é visto como um equilíbrio.

A lua e o são esta numa linha fina entre os ancestrais e antepassado, que não são a mesma coisa, como muitos pensam. Meus irmãos neste humilde texto, passamos por muitos santos, odus e seres que habitam o mundo das espiritualidades inferior e superior. Leiam com atenção, tem muita coisa entre uma palavra e outra, para quem é de Ifá, quem é de orixá e quem é do culto de Lesse-egun. Eu sou o seu Baba e Oba/Itefá Alexandre de Exu. E Oba Selen.