AS CHAMAS E ODUDUWA

Na antiguidade existia o guarda do fogo, encarregado de não deixar a chama apagar nunca, época que era iluminado tudo a nossa volta por tochas ou lâmpadas a óleo com pavio. Era a fonte de luz e calor.

Como Deus é fonte de Luz, cremos fortemente que quanto mais luz a pessoa tem é conhecimento. Pois a luz espanta a escuridão que é a ignorância que persiste em habitar o espirito.

A luz é vista geralmente como SABEDORIA, a VIDA e a Iluminação das Trevas. A CHAMA é uma mensagem de luz é símbolo de claridade, visão, conhecimento e Verdade.

Aqui entra a explicação da relação entre o CORPO, a ALMA e o ESPÍRITO. Eu sou Bàbá, Oba e Itefá Alexandre de Exu, e estou mostrando a vocês algumas situações. Referente ao fogo que chamamos de chama.

A alma no corpo é semelhante à chama no pavio.
A cera (ou óleo) é semelhante ao corpo (matéria).
A chama consome a cera, sem se desgastar.
O corpo é consumido pela vida, não a Alma.

A vela (o corpo, a cera) tem forma definida, porém, a chama não tem um formato que possa chamar de seu, a Alma é disforme.
A chama é dirigida e movida pelo vento.

Por isso nossos “GUIAS DE UMBANDA” falam salve sua ‘LUZ’, que é salve seu conhecimento e seu progresso. A Luz e medida de evolução espiritual e aproximação do criador, pois ele é a fonte de luz eterna.

Vento que dirige e move a Alma. O sopro de Deus, que deu a vida ao espirito.

O tamanho da chama não é determinado pelo tamanho da vela, ou seja, o “tamanho” da Alma não é determinado pelo tamanho do corpo. Uma pessoa com um corpo pequeno não necessariamente possui uma Alma “pequena”, assim como muitos que se acham grandes e poderosos, vaidosos, na maioria tem Alma pequena.

Usamos a vela, por ser uma fonte de Luz e fogo, de fácil controle por nós. Mas antes da vela existir se usavam diversos materiais.

Embora a vela tenha muitas características ou uso possíveis, tais como, selar, lubrificar, seu propósito básico é iluminar.
O mesmo se aplica ao corpo. Embora tenha muitas funções, sua tarefa essencial, é abrigar a Alma para trazer luz ao mundo.

Quem faz santo ou vai receber um cargo que pode ser uma função deve acender uma vela ao grande orixá Oduduwa. Mas não é acessa apenas. A pessoa que recebeu esse orixá a mais tempo deve revigorar a chama (acender as velas) dele. Num total de 16.
Ai que vai receber acende a dele das já acessas.

Mostrando desta forma que está indo buscar o conhecimento e o aprendizado. Todo iniciado deve ao menos uma vez ao ano participar ou fazer essa cerimonia que cada casa faz de uma forma, mas todas são validas.

Porque a Luz das velas onde houvesse trevas, caos, ignorância, o homem deveria levar à luz, a espiritualidade, a compreensão, o amor, a presença de Deus e está a missão da pessoa iniciada na religiosidade africana. Não importa a cor e o formato da vela, a cor da chama não muda. Não importa a cor, a classe social, os bens, o seu credo e o tamanho do corpo, a cor da Alma não é afetada.

Assim são todos dentro da casa de santo do abíyán ao mocotão, da chama mais vacilante a mais firme. O orixá Oduduwa tem que ver nosso e sentir nosso progresso no corpo. Nunca se acende a vela de um fosforo ou isqueiro, mas sempre de um mais velho. E era comum se acender do que tinha mais afinidade, pois estamos pedindo que nos ensine e dê conhecimento. Tudo isso diante do trono de Oduduwá.

A porção mais quente da chama é a parte superior. A alma é o aspecto superior do homem, podemos acender milhares de velas a parte superior da chama é o aspecto superior do homem, sua Alma.

Podemos acender milhares de velas a partir de uma única vela, sem que ela perca nenhuma parte de sua luz original. Na verdade, cercada por outra vela acesa, ela mostra mais luz. A alma também pode acender outras Almas, tornando-se conscientes do objetivo da vida, e então se torna ainda mais iluminada, porque foi fundamental na missão de espalhar a LUZ.

É mais fácil reascender um pavio, do que acendê-lo na primeira vez. Uma Alma que já soube, mas se desviou, aquela que esqueceu é mais fácil reascender, de relembrar, de voltar, do que aquela que jamais soube a força de sua Luz.

Depois que a chama consumiu toda vela, ela deve desaparecer. Assim é com a Alma. Depois que os seus desejos estiverem no corpo durante o seu tempo de vida, o corpo é consumido, e então a Alma também deve partir. Aí entra a nossa ancestralidade.

A chama sempre se eleva, indo em direção ao céu. A alma também se esforça para se elevar, para lembrar sua verdadeira identidade. Isso Exu nos mostra em Okoto.

Tentamos do físico, o humano, o específico e nos aproximar com o universal e com o Divino que é OLODUMARE.

LUZ ETERNA, ao terminar quando a vela acaba, a CHAMA SAGRADA e ESPIRITUAL, continua acesa em nossos corações.

Nosso corpo é o Templo Divino em que cada um de nós carrega a Centelha Divina. E que nosso orixá nosso primeiro ancestral vem nos visitar de tempos em tempos, quando viramos de santo.